“Yeah, I’m thinking I’m back”

John Wick (2014) – De volta ao jogo
roteiro: Derek Kolstad
direção: Chad Stahelski, David Leitch
3.5 out of 5 stars

Sinopse
Keanu Reeves é John Wick, homem solitário que perdeu tudo na vida. Assassino de aluguel aposentado, Wick é forçado a voltar ao jogo e enfrentar a máfia.
(fonte: cinemark.com.br)

john wick

Poderia ser apenas mais um filme de vingança, o básico lugar-comum do assassino aposentado que se vê compelido a voltar à ativa. Mas John Wick consegue ser clichê e ainda assim divertir – desde que o espectador abstraia a cafonice de alguns cenários e a previsibilidade de alguns acontecimentos. A ironia de alguns diálogos e até os trejeitos habituais de Reeves ajudam a compor o estereótipo do personagem. Até mesmo uma das falas parece ter sido feita sob medida para o ator:

“People keep asking if I’m back… yeah, I’m thinking I’m back.”

O roteiro não é o ponto forte do filme. Não prima pela originalidade, mas tem algumas boas sacadas: a forma como o submundo do crime é retratado, por exemplo, além da forma de negociação dentro dele; bons personagens secundários: Ms. Perkins (Adrianne Palicki), Marcus (Willem Dafoe), Aurelio (John Leguizamo), Winston (Ian McShane); um alívio cômico garantido pelos eventos ocorrido no The Continental, principalmente pelas aparições do gerente do hotel (Lance Reddick). Nem mesmo os dois falsos finais quebram o ritmo do filme, que consegue manter o espectador imerso até o final.

Dirigido pelo ex-dublê Chad Stahelski – que contracenou com Keanu Reeves em Matrix -, o filme obviamente está repleto de cenas de ação e lutas tão bem coreografadas que quase nos convencem de que Reeves é tão habilidoso quanto seu personagem. A violência e o sangue jorrando não chegam a ser tão estilizados quanto em filmes de Tarantino, mas garantem que a contagem de corpos só faça aumentar à medida que a narrativa progride.

Se o espectador não for um fã do gênero, melhor não insistir caso o início do filme não agrade, pois a sensação de déjà vu irá persegui-lo por toda a história. Tipico exemplo do filme que diverte sem exigir demais do espectador mas nem por isso insultando sua inteligência.