La marche

La marche (2013) – A marcha
roteiro: Nadia Lakhdar, Nabil Ben Yadir
direção: Nabil Ben Yadir
3 out of 5 stars

(resenha publicada originalmente no Vórtex Cultural, em 27/09/2016)

 

Em 1983, em resposta ao clima nauseabundo da época, repleto de intolerância e violência racial, jovens adolescentes iniciam uma marcha pacifíca, percorrendo mais de mil quilômetros, pelo interior da França, de Marselha a Paris. A “Marcha pela igualdade e contra o racismo”, comumente chamada de “Marche des Beurs” – Marcha dos Beurs (“beur” é a gíria politicamente incorreta para árabe) – aconteceu de 15 de outubro a 3 de dezembro e foi o primeiro movimento nacional anti-racista na França.

la-marche

Na vida real, durante a ocorrência de confrontos armados no distrito Les Minguettes (em Vénissieux, um subúrbio de Lyon) um jovem – Toumi Djaïdja, presidente da associação SOS Avenir Minguettes – foi ferido gravemente, vítima de um tiro disparado por um policial. No filme, Mohamed (Tewfik Jallab) é atingido por um tiro ao tentar salvar um mendigo, Hassan (Jamel Debbouze), da perseguição de um cão policial. Depois que Mohamed se recupera do ferimento, seus amigos esperam que ele tome alguma atitude radical. Mas, em resposta, ele surge com a ideia de uma ação apaziguadora, a tal marcha, na tentativa de reduzir a tensão entre a polícia e os jovens moradores de Les Minguettes. Com o apoio do padre Jamel Debbouze e do pastor Jean Costil – no filme, repectivamente, Dubois (Olivier Gourmet) e François (Rufus) – organiza uma caminhada de não-violência, inspirado por Martin Luther King e Mahatma Gandhi, cujas demandas são igualdade de direitos e o fim da injustiça e desigualdade social.

Em um tom bem documental, o espectador acompanha os problemas – internos e externos – enfrentados pelos caminhantes durante a travessia. E o tom do roteiro não é apenas documental, mas bastante didático na maior parte do tempo, deixando claro que a intenção é ser reconhecido mais pelas ideias que pelas qualidades cinematográficas.

Há que se reparar na caracterização um tanto quanto estereotipada da maioria dos personagens. Talvez tenha sido feito com o intuito de “encaixar” cada membro da troupe em um arquétipo que facilitasse a identificação com o público. No entanto, soa caricato em excesso em alguns momentos. Principalmente a figura do mendigo como o “bobo da corte”, cuja presença é bastante questionável, para não dizer quase dispensável. Apesar disso, o roteiro não se furta de mostrar que os participantes da caminhada têm, sim, falhas de caráter, medos e manias que dão verossimilhança às interações entre eles. Há bate-bocas memoráveis, tanto por miudezas do cotidiano quanto por questões sócio-políticas. Discussões em que se questiona o o nível de engajamento tanto dos personagens assim como da população em geral; ou a melhor estratégia para que essa mesma população – imigrantes ou não – dê apoio ou mesmo participe mais ativamente; além das inúmeras vezes em que os caminhantes param para decidir a continuação ou não da marcha, por N motivos.

Lubna Azabal, no papel de Kheira, como sempre numa ótima performance. Dá complexidade à sua personagem, uma mulher árabe de temperamento forte que,em sua intransigência e sua dificuldade em aceitar a opinião alheia, é o contraponto de Mohamed. Parecendo ser mais lúcida que os demais, inicialmente acha que o pacifismo de Mohamed não dará em nada.

Tecnicamente bem executado, o filme se destaca mais pela discussão que incita do que por seu valor artístico.