Prometheus – ou “Como escrever um roteiro ruim?”

Lista de falhas, furos, inconsistências e, por que não dizer, idiotices do roteiro

  • O liquido escuro bebido pelo engenheiro parece o óleo negro de x-files…
    É o mesmo q encontram nas capsulas do planeta? Ninguem explica. E como o andróide sabia qual seria o resultado da ingestão dele?
     
  • Dá a entender que o genoma do engenheiro gerou o da raça humana, mas no meio do filme é dito que são 100% iguais, o q não faz sentido já que genomas iguais “criam” organismos fenotipicamente iguais. E, apesar de serem humanóides, não dá para dizer que os engenheiros sejam iguais a nós.
     
  • Se aquele DNA na água formava a tal “sopa primordial”, não faz sentido (evolutivamente falando) aparecerem organismos pluricelulares fazendo mitoses logo em seguida. Eu sei, é coisa de nerd. Mas há um zilhão de nerds assistindo ao filme, então…
     
  • Que cientista (de verdade), ao ser questionado sobre a existência de evidências de sua teoria, responde infantilmente “foi o q escolhi acreditar”? O filme é sci-fi ou religioso? Faltou um coro gospel ao fundo.
    Até mesmo Mulder com seu “I want to believe” era mais verossímil e cientificamente coerente, apesar de Shaw ter mais a ver com Scully, a cientista competente e extremamente religiosa.
     
  • prometheus

  • Que equipe de exploração era aquela? Colocaram um anúncio no jornal e recrutaram os primeiros da fila? Até Beakman tem mais metodologia científica que eles.
     
  • Que biólogo, por mais covarde q seja, escolheria voltar para a nave ao invés de ficar e analisar organismos não-conhecidos? E mais, que biológo, ou melhor, que cientista, ao se deparar com uma criatura desconhecida, se poria a brincar com ela como se fosse um bichinho de estimação?
     
  • Se o geólogo podia ficar sem a touquinha dourada dentro do capacete, por que os demais precisavam usá-la?
     
  • Se eram os equipamentos do geólogo que estavam mapeando o lugar, como ele conseguiu se perder ali?
     
  • Por que um andróide tingiria o cabelo? E por que raios havia tintura de cabelo na nave? Faria sentido se em algum momento o roteiro explorasse a vontade do android em se parecer humano. Mas passa longe disso.
     
  • Apesar de significativa, a referência a Lawrence da Arábia se perde, já que provavelmente mais de 80% do público nem faz ideia de que filme é aquele. E mesmo a referência literal sobre suportar a dor (remetendo ao andróide de Aliens brincando com a faca) fica perdida.
     
  • Ninguém que tenha acabado de sofrer uma intervenção cirúrgica extensa consegue sair correndo, mesmo q tente.. aliás, mesmo que conseguisse, a sutura não se manteria íntegra.
     
  • Se a única pessoa com permissão para usar a máquina de cirurgia era a capitã,
    1) não faz sentido a máquina só poder ser usada por homens
    2) como a mocinha conseguiu as senhas para destravar a máquina?
     
  • Por que não escalar um ator idoso, ao invés de fazer aquela maquiagem tosca no Guy Pierce? Certamente, numa possível sequência, ele vai aparecer jovem. Mas a maquiagem bem que podia ser melhorzinha.
     
  • Em um universo com um zilhão de estrelas, querem que a gente acredite que aquela configuração de 6 astros tem apenas UMA correspondência possível?
     
  • Em momento algum fica claro por que os engenheiros resolveram criar a raça humana. E, pior, por que resolveram destruí-la.
     
  • E, para coroar, a cena mais tosca do cinema nos últimos anos. Parece desenho animado os dois personagens correndo da nave que vem girando feito uma rosquinha, sendo que bastava se afastar e correr para os lados em vez de continuar em linha reta.
     

prometheus-running