O sol por testemunha

meteorologia: q frioooooooooooo
pecado da gula: pão na chapa com manteiga
teor alcoolico: nada ainda
audio: pokercast #36

Plein soleil, direção René Clément

Primeira adaptação para o cinema da obra de Patricia Highsmith, The talented Mr.Ripley, que ainda não tive oportunidade de ler. Por não ter lido o livro, não tenho como afirmar qual das adaptações é a mais fiel à obra original, essa de 1960 ou a mais recente, de 1999, com direção de Anthony Minghella.
Sou naturalmente avessa a refilmagens e, pessoalmente, prefiro a primeira versão. Não só pela presença hipnotizante de um Alain Delon no auge da juventude (e do charme), mas também pelas sutilezas do roteiro. A versão francesa não tem os vícios da indústria cinematográfica americana atual, que acredita que tudo deva ser esclarecido ao público.
A versão americana é fraca, o filme não convence, o roteiro é mal amarrado, o elenco está totalmente apático e o final é sem pé nem cabeça. Talvez funcionasse melhor se Jude Law estivesse no papel de Ripley, ao invés de Matt Damon. Mas ainda assim, seria difícil contornar as inconsistências da narrativa. A fotografia pode até ser melhor, assim como a trilha sonora (apesar da assinatura de Nino Rotta na versão francesa, o tom jazzístico da versão americana cabe feito uma luva). Contudo, não é suficiente para tornar o filme apenas “assistível”.
Totalmente amoral, Ripley é um jovem com a capacidade inata de mimetizar a personalidade de outra pessoa. Imita com excelência a voz, a entonação, os maneirismos, os gestos, até a assinatura. Delon está perfeito no papel, atuação impecável. A desenvoltura com que incorpora o personagem de Maurice Ronet, Philippe Greenleaf, é impressionante.
Os diálogos são muito bons. Em certo momento do filme, quando Greenleaf começa a se sentir desconfortável com a presença de Ripley, as conversas entre eles se assemelham a um jogo de gato e rato.
Mas o melhor de tudo é o final do filme. Não sei se é como no livro, mas o desfecho é memorável. Um dos melhores em filmes policiais que já assisti.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *