District 9

meteorologia: tempo indeciso.. fez frio, fez calor, fez frio de novo
pecado da gula: x-tudo
teor alcoolico: 2 stella artois
audio: nerdrops #66
video: lost season 06

District 9, direção Neill Blomkamp

Havia lido algumas críticas bastante favoráveis ao filme e a premissa me pareceu bem promissora: uma raça alienígena que chega à Terra como refugiada que, apesar de absorvida pela sociedade, é vítima de manifestações intensas de xenofobia e segregação social. E, pasmem, a nave extraterrestre não está sobre New York, Washington ou qualquer outra capital americana. Ela paira sobre a maior cidade da África do sul, Johanesburg. Óbvia referência à política de apartheid que vigorou no país durante anos, o filme nitidamente coloca os aliens como representantes das minorias subjugadas às classes dominantes. Há também referências aos campos de concentração nazistas, à limpeza étnica, aos guetos, às condições subumanas a que se sujeita grande parte da população de países do Terceiro Mundo – ver adultos e crianças aliens catando comida no lixo é chocante. Só pela capacidade do roteiro suscitar tais referências já é um grande mérito do filme.

Apesar de toda a temática social do pano de fundo, o filme não é um drama denso. É ficção científica de qualidade, com direito a cenas de ação e tiroteios. E consegue ser bastante verossímil no estilo narrativo escolhido. A exemplo de outras produções – The Blair Witch Project e Cloverfield, por exemplo – o filme convence bem no formato de pseudo-documentário (descobri que se chama mockumentary). Conseguiria se passar facilmente por um desses documentários da Discovery ou da National Gegraphic. A fotografia com paleta desbotada e “seca” dá o tom de realismo necessário. Apesar de em alguns momentos ser utilizada uma montagem convencional, o que não chega a enfraquecer muito a narrativa.

O elenco desconhecido dá conta do recado, apesar de alguns deslizes perdoáveis. Destaque para o protagonista, Sharlton Copley como Van De Merwe, que consegue dar ao personagem todas as nuances de caráter, que vão se modificando no decorrer da estória.

Despretencioso em sua concepção, revela-se uma grata surpresa. Realmente muito bom.
Vale a pena assistir.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *