Body Heat

meteorologia: e a chuva continua
pecado da gula: cheese dog
teor alcoolico: 2 stella artois
audio: alternativando #152
video: criminal minds

Body Heat (Corpos Ardentes)
Direção e roteiro de Lawrence Kasdan

Apesar do título nacional dar a impressão de se tratar de um típico filme de sacanagem, não é bem isso (*). É, na verdade, uma homenagem bastante bem-sucedida de Kasdan ao filme noir – estilo que eu particularmente gosto muito.

E, seguindo o que parece ser quase uma receita de bolo, este filme tem os elementos principais de praticamente todos os filmes noir:

  • o detetive particular: substituído, neste caso, por um advogado. William Hurt – em seu segundo ou terceiro filme – é Ned Racine, um advogado pé de chinelo, negligente, não muito bem sucedido, metido a mulherengo.
  • a femme fatale (que costuma contratar o detetive): Kathleen Turner – em seu primeiro filme – é Matty Walker, uma socialite sensual, esposa de um investidor.
  • o crime: não vou dar spoiler, mas costumam variar entre traição, roubo, assassinato.

Durante uma onda de calor na Flórida, numa noite excepcionalmente quente, Ned conhece Matty. Apesar da relutância inicial dela, acabam por se tornar amantes e Ned fica totalmente envolvido pela sensualidade – e esperteza – de Matty.
Isso é simplificar a estória, mas me abstenho de contar mais para não estragar a diversão de quem resolver assistir.

Interessante reparar no restante do elenco:
Ted Danson, muito antes de ficar grisalho, como Peter Lowenstein, advogado amigo de Ned.
Mickey Rourke, no tempo em que ainda era bonitão, em início de carreira, como Teddy Lewis, um ex-cliente de Ned.

Estória bastante inteligente, com diálogos bem estruturados e repletos de duplos sentidos. Este é um daqueles filmes que sentimos vontade de assistir novamente logo que os créditos terminam. Brilhante roteiro de Kasdan que se utiliza com excelência da premissa de que nada é o que parece ser.

“You aren’t too smart, are you? I like that in a man. “
Matty [to Ned]

(*) Não é um filme de sacanagem, mas há algumas cenas beeeem tórridas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *